Sopa da mamãe (carne ou frango com legumes)

Eu sou daquelas que adora inverno. E um dos motivos é a chance de fazer e se deliciar com muitas receitinhas de sopa. Já postei aqui a Sopa de abóbora com gorgonzola, que já é um clássico aqui em casa. Mas há algum tempo eu vinha buscando a minha receita de sopa, aquela que tivesse a minha cara, que tivesse o meu jeito. Experimenta daqui e dali e ultimamente acho que consegui chegar a uma receitinha básica que faz a família “lamber os beiços”.

Acho que ainda vou mexendo e aperfeiçoando, mas por enquanto compartilho a receita atual:

 

Ingredientes

1 colher de sopa de óleo

1/2 cebola

1/2 dente de alho

200 g de carne bovina (acém ou músculo) ou 200 g de frango (sobrecoxa)

1 litro de água

3 mandioquinhas médias

200 g de abóbora cabotiã (ou cabotiá,ou japonesa)

1 batata

1 cenoura grande

1 abobrinha pequena

 

1 pitada de cominho em pó

1 punhado de salsinha picada

1/3 de xícara de macarrão miúdo para sopa ou 1 ninho de macarrão cabelo de anjo

(todos os legumes e a carne devem estar picados em cubos pequenos)

 

Modo de fazer

Aqueça o óleo na panela de pressão e refogue a carne até estar bem frita por fora. Junte a cebola e o alho e vá mexendo até ficarem macios. Jogue a água já quente (cuidado, levanta um vapor muito quente e pode queimar sua mão). Junte os legumes e temperos, menos a salsinha. Feche a panela de pressão, abaixe o fogo quando começar a vazar a pressão e deixe cozinhar por 15 minutos. Desligue o fogo e espere a pressão sair antes de abrir a tampa. Volte a panela ao fogo já sem tampa. Veja se precisa acrescentar mais água, isso vai de gosto. Acrescente o macarrão e a salsinha, e mexa um pouco, isso vai fazer com que a abóbora se dissolva, formando aquele caldinho um pouco cremoso e suculento. Deixe somente o tempo de cozimento do macarrão e desligue. Fica gostoso servir com um fio de azeite e/ou um pouquinho de queijo ralado.

 

Bom apetite!

Anúncios

Cheirinho de feijão caseiro

É uma coisa muito brasileira, e, no meu caso, bem paulistana. Sentir aquele aroma da cebola com alho e os temperos fritando e depois do feijão se misturando… ah, é delicioso! Já ouvi muita gente falando: “nossa, não consigo fazer como minha avó”, ou: “o da minha mãe é imbatível, mas não consigo repetir”.

Sei que no Rio de Janeiro o feijão do dia a dia é preto, e na Bahia o temperinho é diferente, mas, na verdade, acredito que cada tempero é único. Cada um tem seu segredinho, seu jeitinho pra deixar saboroso e inesquecível esse prato.

Bem, deixo aqui o meu jeitinho, que é o que mamãe ensinou mas com um toque pessoal.

Feijão caseiro

Deixo mais ou menos uma xícara de feijão, quase sempre o fradinho, de molho na água fria por pelo menos uma hora. Jogo a água fora e coloco na panela de pressão com um pouco de água, só cobrindo os grãos, e afervento. Essa água eu também dispenso. Depois coloco água filtrada suficiente para cozinhar na pressão por 30 minutos depois de começar a ferver.

Quando termina de cozinhar na pressão, abro com cuidado e deixo no fogo baixo. Numa panelinha coloco azeite, cebola ralada, alho bem picadinho, 2 folhas de louro e uma pitada de cominho. Deixo dourar bem e jogo por cima uma concha do feijão cozido e o sal. Devolvo para a panela com o restante do feijão, cozinho mais uns 5 minutos e está pronto.

Bem, esse é o meu jeitinho… e o seu, como é? Conte aqui e enriqueça ainda mais essa receita!

Salada de atum com queijo e picles

Esquenta, esfria, esquenta, esfria. Esse tempo maluco mexe também com nosso apetite e com as nossas escolhas na hora de cozinhar.  Semana passada eu estava pensando em sopas e agora só penso em saladas… Aí lembrei dessa, que minha mãe faz desde sempre, principalmente quando está esse tempinho calorento.  É pra lá de simples e deliciosa.

Ingredientes
1 pé de alface (de preferência lisa)
200 gr de queijo prato
1 lata de atum
picles à gosto
maionese também à gosto

Corte a alface em tiras finas, o queijo em cubos pequenos e o picles em pedaços pequenos. Em separado amasse o atum. Misture tudo e junte a maionese. Tá pronto! :-)

Sopa de coalhada com kibe!

Tudo bem,  parece que o frio já está indo embora mas, mesmo assim, essa receitinha que estava no rascunho faz um tempo vai sair do forno (ou da panela).

Aprendi a receita com a Deb, uma amiga muuuito querida, que é de origem libanesa. Num desses inevitáveis papos sobre comida, quando a gente ainda trabalhava junto, contou que a mãe fazia uma receita que já era tradição na família e ela adorava: uma sopa com coalhada e kibe, chamada kibe labani (é assim que escreve Deb?)

Claro que eu TINHA que experimentar!!! Liguei pra mãe da Deb e ela me contou com todos detalhes como fazia a tal sopa. Só posso dizer que é DE-LI-CI-O-SA!!! Experimente:

Ingredientes

2 copos de coalhada fresca ou iogurte

1 litro de leite desnatado

1 maço de hortelã fresco

1 cebola

1 ou 2 alhos amassados

azeite

10 mini kibes (pode ser aquele congelado ou se você tiver tempo prepare-os com antecedência)

Se você optou pelo kibe congelado afervente-o antes de usar pra tirar o excesso de gordura. Isso é importante pois a gordura do industrializado pode mudar o sabor da sopa. Depois frite-os com um tiquinho só de óleo, só pra tostar do lado de fora. Reserve. Pique a hortelã e a cebola e o alho e frite em azeite. Despeje o leite e a coalhada e deixe esquentar. Depois de cozinhar um pouco acrecente os kibes e… está pronto!!!

Obs.: na receita tradicional vai também arroz, como na canja, mas a mãe da Deb não usa, então não coloquei.

Pimentão recheado

O pimentão recheado com carne também é uma receita que está colada nas lembranças de infância. Mesmo sendo um alimento de gosto peculiar e difícil de agradar às crianças, preparado desse jeito era tiro e queda: eu e meus irmãos sempre comíamos até nos fartar.  O gosto agridoce do pimentão, combinado com a carne beeeeem temperada e acompanhado de batatas assadas crocantes é irresistível.

Quero aproveitar esse post pra lembrar meus (poucos) leitores, rs, que aceito colaborações de receitas de família, especialmente aquelas que vem acompanhadas de histórias tão saborosas quanto o prato.

Ingredientes

6 pimentões vermelhos

500g de carne moída (patinho, alcatra, coxão mole)

1 cebola

2 dentes de alho amassados

salsinha, alecrim, cebolinha

2 ovos cozidos

1 col. (café) de mostarda

6 batatas picadas em cubos e pouco cozidas (coloque um pouco de vinagre na água do cozimento pra ela não desmanchar)

Refogue a carne com um pouco de óleo, a mostarda, os temperos e deixe pra colocar por último a salsinha, cebolinha e o ovo cozido bem picadinho. Lave bem os pimentões, corte a “tampinha” de cada um e tire toda a semente com uma faca pequena. Recheie os pimentões com a carne, feche as respectivas “tampinhas” com palito de dente, coloque em uma forma bem besuntada de azeite e pincele cada um com azeite também. Por último acomode as batatas em volta dos pimentões, cubra tudo com papel alumínio e leve ao forno médio por meia hora. Retire o papel alumínio e deixe mais 15 minutos ou até o pimentão começar a ficar enrugadinho e a batata dourada. Para os mais exagerados como eu ainda vai muito bem com um arroz bem branquinho e fresquinho, mmmmm! Ah, eu tiro a pelinha na hora de comer, mas vai de gosto, tá?

Versão vegetariana: você pode rechear os pimentões com um purê de batatas tbém temperadinho com ervas, aí acho que combina mais fazer com pimentões verdes e, claro, sem as batatas coradas.

Bom apetite!

Kibe cru

Conheço Dona Gê desde a adolescência, quando eu e minha amigona Li nos conhecemos. Nossa amizade foi ultrapassando todas as barreiras das correrias e caminhos diferentes. Além das ótimas conversas nos eventos especiais de aniversário, às vezes Dona Gê prepara o tradicional kibe cru, que eu nunca tinha experimentado pois não consigo encarar carne crua (nem peixe, confesso).

Precisou meu amado expeimentar e declarar que delícia aquilo era pra eu me tocar que era um tesouro. Da última vez fiz questão de experimentar, e era bom mesmo!, embora eu ainda não tenha conseguido comer muito. Bom, aí vai a receitinha pra quem curte mesmo essa iguaria árabe:

Ingredientes

1 kg de alcatra ou patinho moído (Dona Gê disse que tem ser carne boa, hein! rs)

1 maço de hortelã

2 cebolas raladas

pimenta do reino

500 g de trigo para kibe

muita salsinha!!! :-)

Deixe o trigo de molho por pouco tempo, máximo meia hora, escorra bem o excesso de água e misture com os outros ingredientes… tá pronto! Fácil demais, né? A Li ainda disse que eles sempre servem com cebola e alho pra acresentar na hora de comer, eles adoram. Eu sugiro um azeite bem legal também e pão sírio pra acompanhar. Outra dica: deixe na geladeira antes de servir.

Comida de mãe é colo

Essa semana mãezinha baixou por aqui pra me dar uma força e passei muito bem! Preciso dizer que arroz com feijão de mãe é tudo? Cada mãe faz seu tempero e, com raras exceções, isso se torna patrimônio familiar, alvo de tentativas incansáveis de reproduzir aquele sabor. Fora isso, um clássico franguinho com ervilhas, bracholas, sopa de legumes com músculo…. calma gente, não foi tudo ao mesmo tempo, ela passou a semana aqui, rs. Bem, foi jurado que ela vai me passar os detalhes pra eu reproduzir aqui, então aguardem!